A prova de que o romantismo ainda não morreu | Jesus Manero